quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Olhos abertos

Sabe, te ver dormir é realmente muito bom, mas quem sonha com isso, não é mesmo? Claro que te ter por perto é bom, sonhar contigo é maravilhoso, porém te prefiro de olhos abertos. Com os olhos nos meus, os dedos nos meus, todo meu.
Isso não é poesia, apesar do meu amor rimar com o seu. Aliás, como diz a canção: "Como é grande o meu amor por você", arrisco dizer que nosso amor não tenha uma unidade de medida, ele é imensuravelmente imenso.
Bem, esse texto foi curto, mas evidencia bem o que eu quero dizer, Te amo. É assim mesmo que funciona, simples e rápido, mais rápido do que quando me apaixonei por você, a primeira vista. E por falar em vista, que olhos os teus, que sorriso o seu, que corpo esse teu... Que vista perfeita.


sábado, 30 de julho de 2016

Última conversa

Eu não apaguei nossa última conversa, não que tenha sido algo muito especial, afinal escrever grandes textos e te mandar para receber um "hmm" como resposta não é lá grande coisa. Eu só guardei para olhá-la de vez em quando, saber que aquela foi a última vez que eu puxei assunto, a última vez que eu fui idiota e a última vez que eu nos dei mais uma chance. Queria mesmo que eu e você virasse nós e que durasse para sempre. Que "esses nós" que eu desejava fossem tão apertados quando a minha garganta escrevendo esse post.
Eu podia te excluir e bloquear de todas as redes sociais e da minha vida, porém eu sei que é melhor não fazer, é melhor te manter por perto. Deixa eu ver o quanto você é feliz sem mim, deixa eu perceber que não sou eu o motivo do seu riso, deixa eu lembrar que não é para mim que você manda aquele 'bom dia' seguido de um emoji qualquer que tenta demonstrar sua felicidade em estar falando com essa outra pessoa.
Sabe, dói, dói muito, demais mesmo, entretanto, a ferida está fechando e uma hora ela vai virar apenas uma cicatriz, se tudo der certo será pequena, quase imperceptível. E nesse dia você vai passar por mim na rua e vai lembrar que me conheceu, só que eu vou estar diferente, talvez eu nem te reconheça, talvez seus olhos ainda me chamem a atenção, contudo, é mais provável que você passe desapercebida, mais uma na imensa multidão. Ai vai ser você que sentirá dor, pois já foi única, já foi amada e por conta de suas escolhas, por conta de sua frieza, foi esquecida, deixada de lado, feito o brinquedo da criança que cresce, porquê é assim que me sinto, a criança que cresceu, o cara que superou, se desapegou e finalmente aprendeu, sou também aquele que tenta ser feliz, do jeito de dá, levando a vida numa boa, indo e rindo de piadas velhas e bobas.


quinta-feira, 14 de julho de 2016

Sorte minha

Sabe, foi uma sorte te perder. Você me fez bem enquanto esteve aqui e me fez chorar quando partiu. Mas partindo levou com você tudo de ruim que eu sentia por não poder ser quem você queria que eu fosse. Sério, o que eu estava fazendo comigo? Eu não era eu quando estava com você, contigo me tornava um espelho do que 'você achava' bom, eu sorria para os teus amigos e nem gostava deles, me sufocava dentro de mim para dar meu melhor perante pessoas que só você gostava, eu aplaudia as tuas burradas e passava a mão em sua cabeça dizendo que "tá tudo bem", até que fui eu o machucado. É, não estava tudo bem.
Você tinha certa habilidade em errar, só reparei isso depois que me deu as costas e fiquei sabendo que não mudou em nada, que pena. Pois é, o Facebook mascara um pouco nosso fracasso com fotos de sorrisos largos, porém sei dos copos que você abandona meio vazios por ai, acompanhei suas decepções, não por prazer, eu achava que cuidava de ti, era doentio, mas era o meu jeito de ter você por perto, o meu jeito de te abandonar aos poucos, como um viciado saindo das drogas, diminuindo o uso. Vendo você errando tomei consciência de uma coisa, você ter me deixado foi um grande presente, por quê se não tivesse terminado comigo, eu estaria com você e você estava no fundo do poço. Eu ouvi um amém? Amém.
Então acho que Deus gosta de mim, acho que toda vez que disse "livrai-nos do mal" enquanto éramos nós, foi de você que ele me livrou, era você indo embora, era a sua frieza me atingindo, era eu crescendo, era eu desapegando, era eu, sendo eu, eu um pouco menos você, eu um pouco mais eu. Obrigado por tudo que me ensinou, acho que no fim aquele desastre que era nosso relacionamento serviu para alguma coisa.


terça-feira, 17 de novembro de 2015

Um texto sobre odiar (você)

Eu odeio você, odeio seus olhos claros, o seu cheiro suave, odeio a forma como o vento bagunça o seu cabelo, odeio sua forma de sorrir, a forma como me abraça, a forma como segura minhãs mãos, odeio o jeito que me beija, o jeito que me deseja, odeio seu jeito. Odeio quando para pra pensar e olha o horizonte, odeio quando diz que me ama e olha nos meus olhos, odeio o dia em que disse olhando nos meus olhos que precisávamos terminar, odeio minha vida sem você e odeio também ela com você. E, no fundo, nem mesmo te odeio.
Não sei o que será de mim, aprendi que a vida é você e agora você se foi. Já cogitei morrer, já até tentei, só que não dá, eu queria primeiro te dizer tanta coisa, eu queria, na verdade, ter coragem para te dizer tudo que eu quero, porém não tenho, aliás foi isso que nos separou, a minha falta de coragem, a minha falta de vontade de encarar os problemas, a necessidade ausente de me arriscar e sair da casa dos pais, assumir minha dívidas e gritar meu amor, clamar aos quatro ventos o quanto eu era, ou sou, perdidamente apaixonado por você.
Peço desculpas por não ser tudo aquilo, peço também por não ser nada disso, quero que me perdoe por ser um aleijado quando o assunto é amor e agora sim, depois de te ver partir entender o que eu sentia por ti, por que o ser humano é assim? Por que eu sou assim? Acho que a vida seria mais bem vivida se nos jogássemos de cabeça em nossas vontades, em nossos quereres, se fossemos mais verdadeiros tudo seria melhor, entretanto, essa é a opinião de um cara que estragou tudo e só se deu conta depois que não havia mais maneiras de consertar, então para que me ouvir?

quarta-feira, 6 de maio de 2015

O lado mais complexo de amar

O amor, outra vez escrevo sobre ele, sinto que a cada novo texto irei me contradizer, mas estou em constante metamorfose, é a minha vida, se quiser ficar e aprender com minha loucura, será muito bem vindo, caso contrário, deixo que parta sem nenhum ressentimento.
Então, achei que tinha encontrado o amor da minha vida um tempo atrás, mas por algum motivo desconhecido a metade da minha laranja está sendo chupada por outro agora. Okay, outras pessoas virão, esse só foi mais um, porém acho que cresci um pouco mais e me esfriei um pouco mais... Oh não! O lado oculto, o lado calculista e frio está me dominando outra vez, mentira, desta vez não foi tão drástico, ainda somos bons amigos, só restaram as coisas boas, as boas lembranças, as fotos, o que me deixou alegre, o que me fez sorrir de verdade, entretanto, se quiser quebrar a perna, fique a vontade.
Enfim, amar é tão complexo, é estar longe e continuar amando e ficar perto para maximizar o sentimento, é gritar para ninguém ouvir, é berrar aos ouvidos de surdos, é o eco no vazio, é ser triste com um sorriso no rosto, é poesia em formato de prosa, amor é ser controverso, inverso, do avesso, do outro lado, contrário e ao mesmo tempo, correto, justo, do mesmo lado e mais uma bagunça de coisas. E quando eu falo de bagunça, não é uma bagunçinha, não é uma toalha em cima da cama ou uma meia suja ao lado do cesto de roupa, quando eu falo de bagunça no amor me refiro ao mundo de pernas para o ar, de só pensar em uma pessoa, e querer essa pessoa, e se odiar para amar essa pessoa e só desejar essa pessoa. É esquecer de si e se doar, é doentio, é febre de 40 graus, é morrer ainda em vida.
Se você nunca amou, sinto lhe avisar amigo, tu ainda não viveu, contudo, eu sempre duvido de quem muito afirma nunca ter amado. Eu já amei mulheres, homens, meninas, meninos, pedras, uma Dália que crescia no jardim, amo meus cachorros, meus lápis de cor, meus livros, amo café, amo chá, amava a escola, os meus amigos, os meus vizinhos, os professores, as aulas de história, filosofia, as de artes, amo origami (e sei fazer), amo o cheiro de roupa nova, de orvalho, de chuva e aquele mais que especial, aquele cheirinho divino que vem quando você vira a página de um livro. Ah sim, como poderia esquecer, amo a livraria e a cafeteria que tem dentro dela, amo o shopping, amo Curitiba, amo crianças risonhas e brincalhonas, amo pessoas com olhos claros, tatuagens, piercings, barba, cabelo comprido, gente cheirosa, amo tanta, tanta, mas tanta coisa que é impossível que você, por mais coração de pedra, não seja capaz de amar alguma coisa também, repense.